Japoneses consideram o Brasil um mercado promissor

03/03/2005

Reportagem – Marise Lugullo

Edição – Regina Céli Assumpção

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência)

Agência Câmara – Tel. (61) 216.1851/216.1852 – Fax. (61) 216.1856 – e-mail: agencia@camara.gov.br

Pesquisa recente feita com empresários japoneses revelou que mais de 80% deles consideram o Brasil um mercado promissor para investimentos. No entanto, temem pelos problemas de infra-estrutura, insegurança e falta de transparência. A informação é do vice-presidente do Japan Bank for International Cooperation (JBIC), Yoshihiko Morita, que participou nesta quinta-feira (3) do I Simpósio do Grupo Parlamentar Brasil Japão – Aliança para o século 21, realizado na Câmara.

Morita acrescentou que os quatro principais segmentos que despertam interesse no Brasil foram: energia e recursos naturais; infra-estrutura; álcool combustível e biodiesel; e indústria manufatureira.

Balança comercial

O presidente do Japan External Trade Organization (Jetro), Teiji Akurai, lembrou que a participação do Brasil na balança comercial japonesa vem diminuindo ao longo dos anos. Ele afirmou que as exportações daquele país para o Brasil representavam, em 1976, 1,3% do total, colocando o Brasil como o 21º destino comercial dos produtos japoneses. Em 2004, esse percentual baixou para 0,4%, levando o País à 28ª colocação.

Akurai lembrou que as importações de produtos brasileiros pelo Japão também tiveram queda. Entre os principais produtos importados do Brasil pelos japoneses estão a soja, celulose, café, suco de laranja congelado e minério de ferro.

Estratégia

Teiji Akurai aconselhou o Governo brasileiro a disponibilizar informações sobre o ambiente de investimentos no País de forma contínua e sistemática, com objetivo de aumentar suas exportações para o Japão. O dirigente sugeriu ainda a divulgação de um “novo Brasil”, em que as inovações tecnológicas sejam destaque.

Na opinião de Akurai, o Governo brasileiro deve promover a exportação de produtos não-tradicionais e apoiar, por meio da Agência de Promoção de Exportações do Brasil (Apex), as empresas do setor privado – especialmente as pequenas e médias – e planejar estratégias de venda com uma margem de cinco anos. Ele ressaltou também a necessidade de se enviar missões comerciais brasileiras – mesmo que pequenas, mas com freqüência – ao Japão.

Ações do Governo

O deputado Paulo Delgado (PT-MG), um dos moderadores do simpósio, informou o que o Governo brasileiro vem fazendo para resolver os problemas apontados pelos japoneses.

No que se refere à infra-estrutura, o parlamentar disse que o Governo tem procurado ampliar a matriz de transportes do País, consertando e abrindo rodovias, mas também buscando construir hidrovias, ferrovias, além de melhorar o sistema aeroportuário.

Em relação à violência, Paulo Delgado lembrou que está em andamento o Plano Nacional de Segurança Pública e que a questão da criminalidade ameaça tanto brasileiros quanto estrangeiros. “É uma vergonha que o Brasil ainda não tenha resolvido a questão da segurança pública”, disse.

Quanto à transparência das relações jurídicas, o deputado ressaltou que o Governo quer elevar o padrão da credibilidade do interlocutor brasileiro com o interlocutor japonês. Segundo informou, os empresários japoneses estão traumatizados com quebras de contrato ocorridas no passado. Delgado afirma que, para reverter essa situação, é necessário descobrir que tipo de legislação será preciso fazer, abolir ou consertar.

Cooperação

O presidente Severino Cavalcanti encerrou o Simpósio ressaltando os laços de amizade e cooperação entre os dois países. Severino afirmou que o Japão tem um papel de especial relevância nas relações com o Brasil nos aspectos econômico e humano. Ele também lembrou que em 2008 faz 100 anos que o primeiro navio de imigrantes japoneses aportou em Santos (SP). Severino acredita que o evento dará importante impulso às relações bilaterais.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, deputado Aroldo Cedraz (PFL-BA), manifestou o interesse da Comissão em ampliar os laços diplomáticos e de amizade com o Japão.

O Grupo Parlamentar Brasil-Japão tem 150 integrantes, entre deputados e senadores, e é presidido pelo deputado Paulo Kobayashi (PSDB-SP).

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *